7 coisas que ninguém te conta sobre como encarar a fotografia como negócio

Resumo do que vai ser falado:

Muitos profissionais têm o desejo de encarar a fotografia como negócio, mas possuem pouquíssimas informações sobre o funcionamento desse universo. É muito fácil criar uma imagem de que tudo será perfeito: horários flexíveis, muitos clientes e fotos incríveis. Entretanto, nem tudo é tão simples assim.

Investir na fotografia como negócio requer atenção a diversos aspectos que vão além da fotografia. Você terá que gerenciar clientes, manter uma rotina organizada, procurar meios de ficar conhecido no mercado e gerenciar as movimentações financeiras. Ou seja, um mundo muito diferente do que você já deve ter ouvido sobre a carreira de fotógrafo autônomo, não é mesmo?

Para que você não fique perdido em meio às suas atividades e consiga prosperar nessa carreira, no post de hoje, listamos 7 coisas que ninguém te conta sobre como encarar a fotografia como um negócio. Confira:

1. Fotografia como negócio não é somente sobre técnica

Possuir uma boa técnica é fundamental para que um fotógrafo faça sucesso – afinal, esse é o seu produto. Mas não é somente a técnica de fotografia que garantirá uma carreira bem-sucedida como fotógrafo autônomo – será preciso coordenar uma série de outras atividades que passam bem longe de uma câmera fotográfica.

2. Saber prospectar clientes é fundamental

Por melhores que sejam as suas fotografias, é preciso que os clientes enxerguem valor no que você faz. Saber prospectar, portanto, é essencial para qualquer profissional que queira encarar a fotografia como um negócio – pois são os clientes que pagarão pelo seu serviço e possibilitarão que você continue exercendo as suas atividades.

Além disso, é importante que, depois de atrair alguns clientes, você consiga fidelizá-los. Ou seja, trace estratégias para que eles voltem a escolhê-lo em uma próxima vez que for preciso – seja por meio da disponibilização de outras opções de investimento, ofertas ou até mesmo um ótimo atendimento personalizado.

3. Gerenciar as finanças é essencial para o sucesso

Qualquer atividade econômica sobrevive com base no lucro obtido, certo? Quem quer investir na fotografia como um negócio também deve gerenciar as suas finanças para obter bons resultados. A lógica é bem simples: o faturamento obtido com o seu serviço deve ser maior do que as despesas pagas. Mas lembre-se: invista o dinheiro ganho na própria atividade, assim, você conseguirá promover um crescimento constante.

4. Você terá que lidar com a contabilidade

A contabilidade é considerada um bicho papão pelos profissionais autônomos de diversas áreas de atuação, e com os fotógrafos não é diferente. Se você deseja exercer uma atividade econômica, precisará cumprir com todas as obrigações legais para se manter dentro da lei – seja como pessoa física ou pessoa jurídica.

5. Manter uma rotina organizada pode ser um desafio

Quando falamos sobre ser um fotógrafo autônomo, logo associamos com a imagem de um profissional que precisa estar presente para fotografar em horários agendados e possui o resto do dia para fazer o que quiser. Mas a realidade é bem diferente disso.

A fotografia como negócio significa manter uma rotina organizada para que você consiga dar conta de fotografar, responder clientes, editar e entregar as fotos, controlar as finanças, organizar ações de marketing, e, é claro, realizar as suas tarefas pessoais.

6. É preciso ganhar visibilidade

Você já ouviu falar que “quem não é visto não é lembrado”? Essa é uma grande verdade na vida de quem deseja encarar a fotografia como um negócio. Principalmente trabalhando com um produto tão visual, é essencial que você chame a atenção do público frequentemente para o seu trabalho.

A boa notícia é que é possível fazer isso a custos baixíssimos com o auxílio da internet. Manter uma página no Facebook e outra no Instagram, marcar presença em redes específicas para fotógrafos e ter um website e um blog atualizados são ótimas formas de ganhar visibilidade.

7. A fotografia como negócio envolve a criação de uma marca

Muitos profissionais atuam utilizando o seu próprio nome como forma de identificação, mas não se engane: ser um fotógrafo autônomo é ser uma marca. Ou seja, você deve cuidar da sua imagem, da mesma forma que uma empresa zela pela sua reputação, para que seja lembrado sempre pelos aspectos positivos do seu trabalho.

Encarar a fotografia como um negócio pode ter seus desafios, mas, sem sombra de dúvidas, é uma carreira recompensadora. Qual é o aspecto que você considera mais desafiador nessa nova jornada? Me conta aqui nos comentários, vou adorar sua participação!

E UMA SUPER NOVIDADE: Participe gratuitamente do workshop online – Como Começar o Seu Negócio na Fotografia. Se inscreva: www.meunegociodefotografia.com.br. As vagas são limitadas!

até a próxima

Silvia

GOSTOU?
Que tal compartilhar?
Share on FacebookPin on PinterestGoogle+

Comentários

comentários